TESES E ESTUDOS DE ARBORIZAÇÃO (2022)

PERDAS ECOSSISTÊMICAS GERADAS POR PODAS INDEVIDAS NA
ARBORIZAÇÃO URBANA DO BAIRRO CAMBUÍ, EM CAMPINAS/SP



Flávio Henrique Mendes, José Hamilton de Aguirre Junior, Teresa Cristina Moura Penteado, Daiane Mardegan, Demóstenes Ferreira da Silva Filho

img cambui podas.png

TESES E ESTUDOS DE ARBORIZAÇÃO (2021)

ANÁLISE DE CENSOS DA ARBORIZAÇÃO VIÁRIA DO BAIRRO CAMBUÍ, CAMPINAS/SP (2007-2017)

José Hamilton de Aguirre Junior - FACULDADE INTEGRAL CANTAREIRA - 2021.

TCC - Análise de Censos da Arborização Viária do Bairro Cambuí^J Campinas - SP (2007 - 201

QUANTIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS ECOSSISTÊMICOS DA ARBORIZAÇÃO URBANA

Flávio Henrique Mendes - Tese apresentada para obtenção do título de Doutor em Ciências, Programa: Recursos Florestais. Opção em: Conservação de Ecossistemas Florestais - 2021.

Flavio_Henrique_Mendes_versao_revisada.png

TESES E ESTUDOS DE ARBORIZAÇÃO
(clique nos títulos para ler o conteúdo completo)

IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICA REINTEGRADORA NA GESTÃO AMBIENTAL EM CAMPINAS
 

Autores: Carlos Alberto Vicentin, Carlos Eduardo Cantúsio Abrahão, Evaldo Novak, Flávia Garcez Lobo, Valdomiro Weschenfelder.

Trabalho apresentado à Disciplina de Política e Gestão Ambiental do Curso de Especialização em Gestão Ambiental (CEGA 6), das Faculdades de Saúde Pública e Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP). Professores responsáveis: Prof. Dr. Arlindo Philippi Jr. Prof. Dra.Gilda Collet Bruna. São Paulo, julho de 1998.



* AS MELHORES PRÁTICAS DE MANEJO DA ARBORIZAÇÃO URBANA 

A Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, (SBAU), vem desde sua fundação em 1992 divulgando e apoiando trabalhos técnicos, científicos e políticos administrativos no campo da arborização, além de promover a conscientização pública sobre a importância das árvores e dos arboristas para a qualidade de vida dos meios urbanos.
..  

 

 
 

ARBORIZAÇÃO VIÁRIA X SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA: AVALIAÇÃO DOS CUSTOS, ESTUDO DAS PODAS E LEVANTAMENTO DE PROBLEMAS FITOTÉCNICOS

 Giuliana Del Nero Velasco - Dissertação apresentada à Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, para obtenção do título de Mestre em Agronomia, Área de Concentração: Fitotecnia. P I R A C I C A B A Estado de São Paulo – Brasil Maio - 2003

 



POTENCIAL DA ARBORIZAÇÃO VIÁRIA NA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA: DEFINIÇÃO DE TRÊS ÁREAS NA CIDADE DE SÃO PAULO – SP, APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIOS, LEVANTAMENTO DE FATORES AMBIENTAIS E ESTIMATIVA DE GRAUS-HORA DE CALOR

Giuliana Del Nero Velasco Tese - apresentada para obtenção do título de doutor em Agronomia. Área de concentração: Fitotecnia Piracicaba 2007



 

* USO DE ÁRVORES E ARBUSTOS EM CIDADES BRASILEIRAS

 José Hamilton de Aguirre Junior , Ana Maria Liner Pereira Lima
Rev. SBAU, Piracicaba, v.2, n.4, dez. 2007, p. 50-66. 50



 

* A FIAÇÃO COMO FATOR DE DEGRADAÇÃO URBANA

Tereza Cristina Moura Penteado - Monografia de Conclusão do Curso Especialização em Gestão Ambiental da Universidade Federal de São Carlos sob a Orientação da Prof. Dra. Cleide Oliveira - Campinas 2006



 

USO DE IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO PARA DEFINIÇÃO DE CORREDORES VERDES NA CIDADE DE SÃO PAULO

Juliana Amorim da Costa - Dissertação apresentada para obtenção do título de Mestre em Ciências. Área de concentração: Recursos Florestais com opção em Conservação de Ecossistemas Florestais Universidade de São Paulo - Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” - Piracicaba 2010



 

RELATÓRIO TÉCNICO ANÁLISE SOBRE AS INTERVENÇÕES OCORRIDAS NA ARBORIZAÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS, SP, EM DIVERSOS ESPAÇOS LIVRES DE USO PÚBLICO, COM A PRÁTICA MACIÇA DE PODA E SUPRESSÃO DE ÁRVORES.

Objeto: analisar, através de estudo técnico, o dano ambiental causado pelas intervenções nas áreas verdes, com a prática maciça e indiscriminada de poda e supressão de árvores, do município de Campinas, SP, iniciadas no ano de 2009, pelo Departamento Municipal de Parques e Jardins, e praticadas até o momento presente.
Executor: ROSANA NEGREIROS – CREA-SP: 060.105.487-6 Engenheira Agrônoma, pela ESALQ - USP, desde 1981 Pós Graduada em Gestão Ambiental pela UFSCar, desde 2007 Empresária no setor de Paisagismo, desde 1989.



 

PODA DE ÁRVORES

Prof. Dr. Rudi Arno Seitz
trecho: Desde a fase inicial da produção de mudas de espécies arbóreas em viveiros, até o
momento em que a árvore possa desenvolver livremente seu modelo arquitetônico de copa,
utilizamos a poda de formação ou educação. Esta poda é aplicada para direcionar o
desenvolvimento da copa contra a tendência natural do modelo arquitetônico da espécie,
compatibilizando assim a árvore com os espaços e equipamentos urbanos.

 

SUSTENTABILIDADE NAS CIDADES: arborização como rede essencial de infraestrutura urbana

José Hamilton De Aguirre Junior - Monografia apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Artes do Instituto de Artes da UNESP - Universidade Estadual Paulista e da UMAPAZ - Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz como exigência parcial para obtenção do título de especialista em Arte, Ecologia e Sustentabilidade
Orientadora: Profª Rose Marie Inojosa Co-orientador: Vitor Octavio Lucato - São Paulo 2011

LEI Nº 11.571 DE 17 DE JUNHO DE 2003, DISCIPLINA O PLANTIO, O REPLANTIO, A PODA, A SUPRESSÃO E O USO ADEQUADO E PLANEJADO DA ARBORIZAÇÃO URBANA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS

Guia de Arborização Urbana de Campinas (GAUC)

 


 

DECRETO Nº 15.986 DE 19 DE SETEMBRO DE 2007

O Prefeito do Município de Campinas, no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto no art. 7° da Lei nº 11.571, de 17 de junho de 2003, que “disciplina o plantio, o replantio, a poda, a supressão e o uso adequado e planejado da arborização urbana e dá outras providências”


 

RETRATO DA ARBORIZAÇÃO URBANA NA CIDADE DE CAMPINAS

Joaquim Teotônio Cavalcanti Neto Coordenador da CTCAC Engº Agrônomo - Crea: 0601129548 Arborista Certificado - BR 0003ª Secretário da SBAU SE

 

 


CONTEXTUALIZAÇÃO DA ARBORIZAÇÃO URBANA NO BRASIL SOB A PERSPECTIVA DA GESTÃO AMBIENTAL

Rosana Negreiros - Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Gestão Ambiental do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São Carlos em parceria com o IBEAS, como parte dos requisitos para a conclusão do curso.
Orientadora: Engenheira Agrônoma MS Cleide de Oliveira CAMPINAS




ARTIFICIALIZAÇÃO DE ÁREAS VERDES

Carlos Alberto Gomes Henriques, engenheiro-agrônomo e membro da Sociedade Protetora da Diversidade das Espécies (Proesp) e José Hamilton de Aguirre Junior, engenheiro florestal, mestre em arborização urbana - CORREIO POPULAR - Campinas, terça-feira , 6 de setembro de 2011

RECURSOS NATURAIS DE CONFORTO TÉRMICO: UM ENFOQUE URBANO

Isadora Mendes da Silva; Luciana Ruggiero Gonzalez; Demóstenes Ferreira da Silva Filho
- Soc. Bras. de Arborização Urbana REVSBAU, Piracicaba – SP, v.6, n.4, p. 35-50, 2011


ARBORIZAÇÃO VIÁRIA COMO PATRIMÔNIO MUNICIPAL DE CAMPINAS

José Hamilton de Aguirre Junior - Dissertação apresentada para obtenção do título de Mestre em Agronomia - Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”. Área de concentração: Fitotecnia Piracicaba 2008

A RECONSTRUÇÃO DE CAMPINAS

José Hamilton de Aguirre Junior – Engenheiro Florestal, especialista em sustentabilidade e mestre em arborização urbana. Teresa Cristina Moura Penteado – Pós graduada em Gestão Ambiental e Perita Judicial Ambiental.


 

ANÁLISE COMPARATIVADOS CUSTOS DE DIFERENTES REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO CONTEXTO DA ARBORIZAÇÃO URBANA

Giuliana Del Nero Velasco , Ana Maria Liner Pereira Lima e Hilton Thadeu Zarate do Couto.


 

ONGS QUEREM O BAIRRO CAMBUÍ MAIS VERDE

 

Organizações usam banco de dados para alertar sobre cortes ilegais e cultivam novas mudas 18/06/2009 – Reportagem de Guilherme Gorgulho

 


 

SUBSÍDIOS PARA ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DA AGENDA 21 DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS – SP - DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE CAMPINAS – VEGETAÇÃO

Marta Camargo de Assis e Natália Macedo Ivanauskas – Documento EMBRAPA - 22/04/2003

LAUDOS DE ÁRVORES CORTADAS IRREGULARMENTE
(clique nos links abaixo para ler as denúncias de práticas desaconselháveis)